Publicado em: domingo, 22/06/2014

Polêmica em torno do holograma de Michael Jackson gera briga judicial de US$ 10 mi

Polêmica em torno do holograma de Michael Jackson gera briga judicial de US$ 10 miJá se passaram um mês da surpreendente apresentação de Michael Jackson em forma de holograma, e agora uma disputa judicial está em voga com US$ 10 milhões (R$ 23 milhões) em jogo no processo. Antes que a apresentação acontecesse no Billboard Music Awards, o executivo da empresa Hologram EUA, Aliki David, tentou impedir o show, afirmando que há uma violação de tecnologia parenteada com exclusividade, segundo informações da revista “Billboard”.

Mesmo com o sucesso da apresentação para divulgação da nova música feita antes de sua morte, “Slave to the Rhythm”, a disputa judicial não irá cessar tão cedo. Atualmente a Pulse Evolution, empresa que foi responsável por toda a animação, entrou com uma ação em Los Angeles, alegando que David não teve participação nenhuma na criação e desenvolvimento do trabalho e assim, o executivo que estava por trás, está de forma falsa, oferecendo créditos para criação e desenvolvimento dos efeitos especiais em entrevista para o canal CNN. Além disso, eles também relatam que o número da dança de Michael teve sua criação toda pelo computador, e não precisou de imagens que foram usadas anteriormente pelo artista, como é usado em um holograma normal.

Defesa

O executivo da empresa se defende das acusações e exige que tenha seu crédito pela criação, porque a Pulse refinou uma tecnologia da empresa, que é chamada de Pepper’s Ghost, em que recriou o rapper Tupuc Shakur, no ano de 2012. Durante uma entrevista um dia após a apresentação do Billboard, a porta-voz do espólio de Jackson, Diana Baron, justifica que o número foi restrito até o dia da premiação porque se trata de uma nova tecnologia, e não foi revelado anteriormente porque Michael nunca revelou os detalhes de sua “magia”.