Publicado em: quarta-feira, 05/09/2012

Pessoas que bebem em excesso têm maior dificuldade em superar traumas

Pessoas que bebem em excesso têm maior dificuldade em superar traumasUma pesquisa norte-americana mostra que a bebida em excesso, além de fazer mal à saúde, também não ajuda na recuperação de traumas. Pelo contrário, ela pode piorar a situação. Os resultados mostram que o uso de álcool não resolve os problemas e o excesso de consumo torna ainda mais complicada a superação de momentos difíceis, o que aumenta o risco de estresse pós-traumático.

O estudo realizado pelo Instituto Nacional de Abuso do Álcool e Alcoolismo, e do Centro de Bowles de Estudos do Álcool, foi desenvolvido ao longo de um mês. Os pesquisadores usaram ratos de laboratórios para testar suas teses.

Ao longo do período da pesquisa, os cientistas injetaram álcool nesses animais e depois os compararam com outros que não tiveram contato com bebida alcoólica. Os ratos foram submetidos a pequena quantidades de choques elétricos. A ideia era deixar os animais com medo de um determinado tipo de som.

Depois de ‘assustar’ os bichos, eles foram novamente submetidos ao barulho. Quando ouviam o som sem o acompanhamento de choque, os animais que não receberam álcool deixaram gradualmente de temer o barulho. Já aqueles que haviam sido embebedados, não conseguiram superar o trauma. Sempre que ouviam o som, o associavam aos choques e ficavam paralisados aguardando o fim do incômodo.

Os pesquisadores ainda fizeram uma avaliação do cérebro dos animais e constaram que as células nervosas do córtex pré-frontal daqueles animais que tiveram acesso ao álcool estavam funcionando de forma diferente. Os animais que foram submetidos a altas doses de álcool, tiveram a atividade do NMDA, foram inibidas.

Os cientistas afirmam que há um padrão de semelhança com pacientes que passaram por situações traumáticas. A dificuldade em superar o medo é enorme. Mesmo quando o indivíduo tem consciência que não se trata de uma situação perigosa, seu trauma o impede de avançar. Conforme os pesquisadores, isso acontece porque a exposição excessiva ao álcool provoca um déficit na maneira de como o cérebro atua. Os centros cerebrais cognitivos controlam os centros cerebrais emocionais e o álcool provoca uma deficiência nessa área.