Publicado em: segunda-feira, 28/05/2012

Pesquisadores descobrem que proteína de lagarta pode auxiliar na cicatrização

Pesquisadores do Instituto Butantan anunciaram a última descoberta das pesquisas. Uma proteína encontrada em lagartas pode ter papel fundamental no processo de cicatrização e regeneração de tecidos do corpo humano. O trabalho foi desenvolvido por pesquisadores do Laboratório de Bioquímica e Biofísica do instituto. Os resultados da pesquisa serão úteis, de acordo com a Secretaria de Saúde de São Paulo, no tratamento de doenças degenerativas, diabetes, asma e queimaduras.

Estudo foi feito depois que problemas com a lagarta eram freqüentes no Sul

Ana Marisa Chudzinski-Tavassi, diretora do laboratório que fez a descoberta, disse que o estudo vinha sendo feito a alguns anos com a lagarta Lonomia. Esse tipo de lagarta é facilmente encontrado na região Sul do Brasil e gera muitos acidentes. Os problemas nos pacientes eram a coagulação e as hemorragias causadas pelo animal. No entanto, a partir disso, o grupo de pesquisadores começou a estudar pra descobrir o mecanismo de ação de seu veneno.

Cicatrização ocorre de maneira mais rápida com o uso da proteína da lagarta

Os pesquisadores descobriram, em seguida, que há componentes do veneno, contido em seus espinhos, que protegem as células e tem ainda o papel de estimular a produção de moléculas responsáveis pela regeneração das células. A proteína, segundo a diretora do laboratório, tem o papel de aumentar a capacidade metabólica da célula. Na pesquisa feita em animais, a cicatrização ocorreu de forma 40% mais rápida que o normal. Além disso, a cicatrização ocorreu de forma perfeita sem queloides. Os testes foram feitos em animais com asma e úlceras diabéticas. Os resultados foram positivos e o medicamento logo será testado em humanos. A pesquisadora disse que provavelmente em um ano os resultados serão suficientes para iniciarem os testes clínicos em humanos. Estima-se que em quatro anos ele possa ser comercializado.