Publicado em: quarta-feira, 11/07/2012

Pesquisa mostra que turismo interno ainda enfrenta barreiras

O Comitê de Política Monetária (Copom) começou ontem uma reunião que deve terminar hoje à noite para decidir sobre uma nova redução da taxa Selic pelo Banco Central (BC). No entanto, embora esse ainda seja um ponto importante para melhorar a situação econômica do país, o professor Samy Dana, da Escola de Economia da Fundação Getulio Vargas de São Paulo (FGV-SP), disse que a diminuição da taxa de 8,5% para 8% “não é mais vista como o principal gargalo da economia”. Essa taxa atual já é a mais baixa já registrada pela instituição. Mas os analistas estimam que ainda na noite de hoje seja divulgado um valor ainda menor. O Copom existe desde 1996 e desde então é responsável pela taxa Selic. O economista da FGV disse ainda que para uma melhora da economia do país é necessário que haja uma reforma tributaria atrelada a uma promoção da indústria nacional. Além disso, é preciso ainda investir em educação, infraestrutura e também em inovação e novas tecnologias.

Professor diz que governo precisa agir do lado da oferta

Segundo o professor, o governo precisa agir mais pelo lado da oferta e não tanto pelo lado da demanda, que é o que o governo tem feito com muito esforço nos últimos meses. Segundo ele, a capacidade de consumo das famílias ainda é pequena e não adianta investir somente do lado da demanda. Mas sim nas indústrias que são responsáveis pela produção. Ele disse ainda que há espaço para a redução da Selic em novas reuniões do Copom, já que o atual cenário interno é propício para isso. Dana disse também que 2012 poderá terminar com uma taxa de 7,25%. Segundo ele o país também não terá problemas com a inflação, já que o crescimento está ocorrendo de maneira lenta.