Publicado em: segunda-feira, 19/03/2012

Pesquisa mostra que duas em cada três cidades têm situação financeira critica

Uma pesquisa feita pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro mostrou que duas em cada três cidades têm situação financeira crítica. Os principais problemas são a falta de receita própria e de investimento por parte do governo estadual e federal. Além disso, as cidades possuem um gasto elevado com o funcionalismo público. O número chega a 63,5% de municípios que tem dificuldade para manter os salários e os investimentos anuais para a população.

Essa informação foi retirada do Índice Firjan de Gestão Fiscal (IFGF) com os dados no ano de 2010. Ele serve para medir a qualidade da administração dos municípios. Em todo o país, apenas 1,8% das cidades foram enquadradas na ponta do índice, com gestão excelente. Foram avaliadas 5.266 prefeituras na pesquisa. Esses dados ajudam a mostrar também a diferença na qualidade dos serviços oferecidos para a população nas regiões do país. Das 100 melhores administrações municipais, 81 ficam concentradas no Sul e Sudeste do país. Ao contrário, as 93 piores estão localizadas nas regiões Norte e Nordeste. Há ainda forte correlação com a renda.

Depois da validação da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), a média desse índice contabilizada entre todos os municípios foi de 0,53, um aumento de 1,9% se comparado ao resultado de 2006. O valor desse índice representa que as prefeituras estão no nível de “gestão em dificuldade”. Esse valor foi influenciado de forma negativa por alguns fatores. O primeiro deles é do aumento com gastos com pessoal, o aumento do custa da dívida e um avanço muito reduzido na receita adquirida pelo município. O aumento positivo ocorreu nos setores de investimento, pagamento de contas atrasadas e com influência do crescimento econômico.