Publicado em: quarta-feira, 25/06/2014

Pesquisa global revela que softwares piratas são cada vez mais procurados mundialmente, no Brasil essa taxa está mais baixa

Pesquisa global revela que softwares piratas são cada vez mais procurados mundialmente e no Brasil a taxa de uso está mais baixaCom base nos dados de uma pesquisa realizada com dados do mundo todo a cada dois anos ficou registrado que houve um aumento de procura por softwares piratas, ou seja não licenciados, os números cresceram no que se refere ao cenário mundial, porém no Brasil esses números ficaram mais baixos em relação aos dados apresentados nas pesquisas realizadas em anos anteriores.

Com base em um levantamento que foi feito pela consultoria IDC e também pela BSA (Software Alliance), no ano de 2007 o número de utilização destes produtos foi de 38% e aumentou para 43% no ano de 201, considerando estas mesma datas no Brasil esse índice passou de 59% para 50%, ou seja houve registro de uma queda de 15.3%.

Caso se considerem apenas os dados das duas últimas pesquisas realizadas esse índice no Brasil é ainda mais baixo tendo queda de 53% para 50% enquanto no total globalizado houve aumento de 1% de 2011 para o ano de 2013, em 2011 a utilização desses softwares era de 42%, já no ano de 2013 esse valor subiu para 43%.

A pesquisa realizada não revela quais as motivações que levaram à queda no consumo de softwares piratas no Brasil, mas passa a informação de que a BSA mantém ações para conscientização nas localidades onde a procura por esses produtos é mais corriqueira, o estudo foi feito com a participação de 34 mercados e contou com a participação de 22 mil pessoas, dentre elas pessoas que fazem uso comercial ou doméstico, além disso participaram do estudo também 2 mil gerentes da área de tecnologia da informação e de acordo com órgãos responsáveis o levantamento não tem margem para erros.

Mesmo a taxa de utilização desse tipo de produto no Brasil ainda ser alta a queda registrada em relação a outras pesquisas representa algo inédito no país, já que o índice caiu pela metade, em comparação com o grupo que integra Rússia, Brasil, China, África do Sul e também a Índia e países da América Latina o Brasil teve uma redução mais regular em relação a esses países.

A posição do Brasil no ranking das 20 primeiras economias em valor comercial de software não licenciado para computadores é quarto lugar, a posição refere-se ao valor que é somado com a utilização de softwares piratas no país que foi de US$ 2.85 milhões, a liderança desse ranking fica com os Estados Unidos que apresentam um valor de US$ 9.74 milhões, o segundo lugar fica com a China que soma o valor de US$ 8.77 milhões e a Índia fica com o terceiro lugar somando U$$ 2.9 milhões.

O estudo realizado compreende apenas softwares utilizados em notebooks e computadores desktops, sejam estes para segurança do PC ou sistemas operacionais, os programas não licenciados utilizados em smartphones e tablets não integram a lista, a estimativa de perdas no mercado ao redor do mundo por utilização de produtos não licenciados é de US$ 62.45 milhões.