Publicado em: quinta-feira, 29/03/2012

Pesquisa do Ibope diz que 30% das escolas não têm espaço para aulas de educação física

O Ibope realizou uma pesquisa nas escolas públicas do Brasil. O resultado foi divulgado ontem, quarta-feira (28), e apontou que os espaços de ensino brasileiros não possuem espaços destinados para a prática da educação física. A pesquisa entrevistou professores e diretores de mais de 450 escolas em todo o país e ainda identificou a ausência de um programa de ensino com qualidade na aplicação da disciplina.

A ONG Atletas pela Cidadania, juntamente com o Instituto Ayrton Senna e o Instituto Votorantim foram os responsáveis pelo pedido da pesquisa. Como um professor e um diretor das escolas avaliadas foram entrevistados por telefone, a pesquisa conta com uma margem de erro de 5%.

Ana Moser, profissional atuante na área do esporte educacional e diretora da ONG Atletas pela Cidadania, destacou que um dos sinais apontados pelo estudo é o da precariedade da infraestrutura, deficiente nas regiões nordeste e em áreas rurais. Outro ponto destacado por ela é que a disciplina em si não tem sido ofertada com um objetivo claro.

A metodologia do Ibope aponta que o espaço para a prática esportiva não é apenas a construção e oferta de uma quadra poliesportiva, por isso o número alto de escolas que foram identificadas sem a estrutura adequada.

A precariedade fica mais aparente quando analisada a formação dos professores. Foi identificado que apenas 44% dos educadores possuem pós-graduação e mais outros 36% possuem ao menos uma licenciatura. Entretanto, um número próximo de 6% possui completo apenas o ensino médio.

Satisfação profissional

No quesito contentamento pessoal, a satisfação atingiu um grande número dos profissionais. A pesquisa revela que 72% dos entrevistados indicam as notas entre oito e dez ao serem questionados sobre a satisfação com a profissão, sendo o dez “muito satisfeito”.

Mesmo indicando como objeto da prática da educação física desenvolver práticas para uma vida saudável nos alunos, juntamente com habilidades de colaboração e comunicação, 78% dos pesquisados afirmara que avaliam os alunos apenas pelo desempenho nos exercícios.

Viviane Senna, presidente do Instituto Ayrton Senna, explicou que a pesquisa funciona como uma “fotografia” da situação do que precisa ser revisto nas escolas públicas brasileiras, destacando que é hora de trabalhar também na metodologia dos docentes.