Publicado em: sexta-feira, 01/07/2011

Pesquisa descobre variante de gene que aumenta risco de Alzheimer

Cientistas descobriram que uma variante de um gene ligado à doença de Alzheimer que aumenta o risco de desenvolvimento da doença. Segundo o estudo, que foi publicado no dia 28 de junho na revista Science Translational Medicine, existe uma variante de um gene associado ao Alzheimer que impede a evacuação de placas senis do tecido cerebral.

As placas acabam se formando devido a acumulação de uma proteína do tipo beta-amilóde, que é encontrada em cúmulos ou novelos impenetráveis, que resulta na má transmissão entre as células nervosas do cérebro. A descoberta explica porque algumas pessoas acumulam mais proteínas e busca novas formas de atrasar e deter a acumulação das entre as placas. O acúmulo resulta em uma maior tendência a desenvolver o Alzheimer.

Ainda, os pesquisadores identificaram genes que parecem aumentar o risco da doença. Um deles é o gene APEO, no qual a variante ApoE4 mostra o aumento de risco e antecipa a idade de aparição da doença. A variante também explica o aumento de acúmulo de proteína. A pesquisa comparou o acúmulo com outras variantes, a ApoE2 e Apoe3, e concluiu que essas duas formas acumulam menos e apresentam menos riscos.

A pesquisa pode auxiliar na identificação precoce do Alzheimer, que pode resultar em um retardamento da doença, quando o paciente começa o tratamento em seu primeiro estado. Os pesquisadores vem trabalhando em um medicamente que possa evitar o acúmulo da proteína e no risco de desenvolvimento da doença.