Publicado em: sábado, 12/04/2014

Pesquisa da ONU revela índices de morte e suas causas mais frequentes em países da América Latina

Pesquisa da ONU revela índices de morte e suas causas mais frequentes em países da América LatinaUma pesquisa feita pela ONU, mostra que só em 2012 foram assassinadas 437 mil pessoas, no qual dessas 36% nas Américas e em torno de 11% no Brasil, é considerado o país que mais se destaca em cidades na lista de violência, logo após vem o México, os dois são os países mais populosos da América Latina. De acordo com os pesquisadores da ONU, esse número elevado de homicídios na América Latina, está diretamente relacionado com o crime organizado e a violência política que acontece há décadas principalmente nos países latino-americanos.

Grande parte das mortes – 66% – foram causadas por armas de fogo, o narcotráfico existente no México também é fator determinante para esse número tão elevado de violência, ressaltando as cidades de Honduras, El Salvador, Guatemala e países que fazem parte das rotas de distribuição de drogas no qual o destino final é Estados Unidos. Na Venezuela, a pesquisa marcou que os assassinatos acontecem geralmente por conta da violência urbana. Avaliando as taxas de homicídio, marcam um número acima de 20 por 100 mil habitantes, é preocupante e considerado grave pelos especialistas. Já em Honduras, há um índice de 90,4 homicídios por 100 mil habitantes, no Brasil, o número é menor mas não menos assustador, 25,2.

Nível Brasil

Surpreendendo com os resultados, os países que estão em conflitos, destacam os menores números em comparação com a América Latina, o Iraque e Oriente Médio, o índice é marcado de oito para 100 mil habitantes. Tratando-se do Brasil, os estados Rio de Janeiro e São Paulo, tiveram uma baixa em suas taxas de homicídio, que representam 29% e 11% – contudo, cresceram no Norte e Nordeste do país, como a Paraíba que foi marcado por um significativo aumento de 150%, e a Bahia logo atrás com 75% nos números de homicídio nos últimos dois anos. Além do Nordeste terem esses índices exorbitantes, Pernambuco se destaca como uma exceção, tendo uma queda de 38,1% na taxa de homicídio.