Publicado em: sexta-feira, 02/03/2012

Pesquisa aponta que três em cada dez paulistanos sofrem de algum transtorno mental

De acordo com dados levantados pelo Instituto de Psiquiatria (IPq) do Hospital das Clínicas de São Paulo, três em cada dez habitantes da cidade de São Paulo apresentam algum transtorno mental. A coordenadora da pesquisa, Laura Helena Andrade, diz que a entrevista feita para o estudo foi construída em um instituto de Michigan, nos Estados Unidos, especializado em pesquisas sociológicas. Essa entrevista foi aplicada em 24 países e os resultados apontam que as mulheres são as que mais sofrem.

A pesquisa durou cinco anos, de 2004 a 2009, e 5.037 pessoas da região metropolitana da capital paulista foram ouvidas. Os dados de São Paulo a respeito desses transtornos mentais são muito semelhantes aos descobertos nos Estados Unidos, porém, muitas vezes, mais graves.

São Paulo aparece com mais de 10% entre os casos de depressão, seguido pela Ucrânia e pelos Estados Unidos. Já o índice de número de casos de ansiedade, que inclui síndrome do pânico, e todos os tipos de fobia, atingiu quase 20% dos entrevistados na capital paulista. Quanto aos casos de transtornos de conduta, ataque de raiva, déficit de atenção e hiperatividade, os Estados Unidos aparecem com 10,5%, mais que o dobro de São Paulo que apresenta 4,2%.

“A gente está falando de um transtorno ativo. No momento em que a gente está entrevistando a pessoa, ela está acometida daquele problema. Só um terço dessas pessoas tiveram algum tipo de tratamento. Então elas estão desassistidas”, esclarece a coordenadora da pesquisa.

As mulheres estão entre as pessoas mais atingidas pelos transtornos mentais, e são aquelas que vivem algum tipo de isolamento, ou que moram em regiões da cidade que possuem índices de privação social elevados. A pesquisa confirma dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) que afirma que no Brasil e nos países desenvolvidos a depressão é a primeira causa de incapacitação para o trabalho e de morte precoce.