Publicado em: quarta-feira, 11/04/2012

Pedido de cassação de Demóstenes é aceito pelo conselho de ética

O Senado iniciou ontem o processo de cassação do mandato do senador Demóstenes Torres que atualmente está sem partido em função das denúncias de seu envolvimento com o bicheiro Carlinhos Cachoeira. Para evitar sua expulsão, Demóstenes pediu afastamento do partido. Antonio Carlos Valadares (PSB-SE) assumiu a presidência do Conselho de Ética do Senado e aceitou o pedido de cassação apresentado há quase duas semanas pelo PSOL. Valdares aceitou o pedido e autorizou abertura de processo em função da quebra de decoro parlamentar por parte de Demóstenes.

O relator ainda não foi escolhido, mas a reunião que decidirá o nome será nesta quinta-feira. Será feito um sorteio entre os 15 membros do Conselho de Ética. Demóstenes deve ser avisado hoje da abertura do processo e tem até o próximo dia 24 para apresentar sua defesa. Ela será prévia, mas é necessário apresentá-la por escrito ao Conselho dentro do prazo que foi estipulado.

Parlamentares concordam com abertura de CPI

Há ainda os parlamentares que querem uma CPI. Trata-se, por exemplo, dos líderes Walter Pinheiro (BA), do PT no Senado, e de Argello (DF), do PTB. Eles argumentaram ontem que é preciso que seja instalada uma CPI mista para investigar as possíveis relações que existem entre o bicheiro e os políticos. Cachoeira foi preso pela Operação Monte Carlo, da Polícia Federal, no ano passado. A criação da CPI foi confirmada pelos deputados depois de uma reunião entre os presidentes da Câmara e do Senado, Marco Maia (PT-RS), e José Sarney (PMDB-AP). O líder do PT no Senado já havia dito que 13 senadores apoiavam a instauração de uma CPI para investigar os envolvimentos de políticos com o bicheiro.