Publicado em: sexta-feira, 16/03/2012

PDT fala que apoia governo e tranquiliza a presidente

Depois que o PR disse que vai fazer oposição ao governo de Dilma Rousseff, o PDT defendeu o governo e disse que apoiará o PT independente dos cargos que receba da presidente. A renúncia do PR foi motivada por problemas com o nome indicado por Dilma para o Ministério dos Transportes. Os parlamentares do partido sempre votarão de acordo com os projetos quando eles forem de interesse público, disse o líder do PDT, o senador Acir Gurgacz (PDT-RO). O senador quis deixar a presidente mais calma e segura a respeito da fidelidade de seu partido.

Gurgacz afirmou que o PDT não necessita de cargos nos ministérios para ser ou não aliado do governo. Tudo depende apenas da importância do projeto para o país. O senador disse que o partido vai continuar sendo parceiro do governo nas decisões independente da troca de benefícios entre a sigla e o governo federal. Criticando a atitude do PR, o senador disse que a presidente tem o poder de decidir quem ela quer que ocupe as pastas.

PDT também espera resposta sobre o Ministério do Trabalho

Até ano passado quem ocupava o cargo no Ministério do Trabalho era Carlos Lupi, que se demitiu depois de problemas com denúncias de irregularidades na pasta. O partido está discutindo com o governo a nova indicação. Segundo o líder do PDT, cabe à presidenta definir quem ela quer indicar para o Ministério do Trabalho, que até o ano passado era comandado pelo presidente nacional do PDT, Carlos Lupi. Depois de denúncias de irregularidades na pasta, o ministro pediu demissão e, desde então, o partido discute com o governo uma nova indicação. Alguns nomes estão sendo avaliados, como dos deputados Brizola Neto (PDT-RJ), Manoel Dias (PDT-SC) e Vieira da Cunha (PDT-RS).

O partido, no entanto, diz não fazer pressão porque não quer ficar dependente do governo por ter aceitado o cargo. Cristovam Buarque (PDT-DF) disse que a presidente não deveria eleger os nomes por filiação partidária e inclusive preferia que ninguém do PDT fosse indicado. Ao ser perguntado sobre a crise entre o Congresso e o governo, Gurgacz negou que os partidos tenham se manifestado contra o governo.