Publicado em: terça-feira, 16/08/2011

Passos nega envolvimento em corrupção e rejeita necessidade de instaurar CPI

Durante a sessão realizada nesta terça-feira (16) no Senado para esclarecer acusações de corrupção no Ministério dos Transportes, o ministro da pasta, Paulo Sérgio Passos (PR), negou ter envolvimento em alguma das atividades que estão sendo investigadas e também rejeita a necessidade de criação de uma CPI dos Transportes. O ministro negou ter conhecimento de um escritório particular de despachante do deputado Valdemar Costa Neto no Ministério.

Com relação às acusações contra o aumento dos aditivos nas licitações do Ministério, Passos defendeu que a quantia está dentro do esperado, pois, de acordo com ele, na medida em que aumentam o recursos para as obras, os aditivos contratuais também crescem. “Seria estranho imaginar que com crescimento de recursos não houvesse aditivos. O ministro não aprova aditivos, que devem ser feitos, sim, com critérios e responsabilidade; quem aprova aditivo é o colegiado do Dnit, por unanimidade. Se houver uma discordância sequer, ele não vai adiante,” argumentou o ministro.

Sobre a necessidade de instaurar uma CPI, Passos defende que agora existem outros meios e recursos para garantir a investigação das acusações. Para o ministro, devem ser seguidas as orientações de acordo com as recomendações de caráter institucional e legal.

A nomeação de Passos ao cargo de ministro foi uma iniciativa da presidente Dilma Housseff, a qual contrariou as vontades do partido do atual ministro, o PR. Até então, Alfredo Nascimento ocupava a pasta, também pela mesma sigla. A decisão de Dilma criu um problema institucional entre o governo e o PR ao não levar em consideração as indicações feitas pelo partido.