Publicado em: segunda-feira, 17/03/2014

Parlamento da Crimeia pede anexação à Rússia

Nas primeiras horas de segunda feira, dia 17 de março, o parlamento da Crimeia aprovou uma resolução onde se declara independente da Ucrânia e ainda solicita oficialmente a anexação à Rússia. A medida ocorre um dia após chegar a 96,8% a adesão da população pela anexação, em um referendo realizado no país. Além disso, foi decidida ainda a nacionalização de todos os bens estatais ucranianos no território da península da Criméia.

Foi realizada uma sessão extraordinária do legislativo para ratificar a resolução. Nesta sessão também ficou afirmado que a Criméia deve ainda adotar o fuso horário de Moscou e não mais o de Kiev, como ocorria até o momento. As medidas foram aprovadas em unanimidade pelos 85 deputados do parlamento, que realizou à República Soviética uma proposta para admitir que a Criméia seja reconhecida como um novo sujeito, apresentando status de república.

Além destas medidas, a península da Crimeia já está adotando o rublo como sua moeda oficial. Serguei Axionov, o primeiro ministro da Crimeia, destacou que a península deverá fazer parte da Rússia a partir do próximo dia 30 de março, mesmo que previamente tenha sido anunciado que o período de transição levaria cerca de um ano. Moscou aguarda hoje uma delação parlamentar da Crimeia para discutir quais serão os procedimentos futuros para a anexação da península pela Rússia. Ainda hoje, o Parlamento da Rússia anunciou que deve aprovar a legislação permitindo que a anexação ocorra num futuro próximo.

Olexander Turchynov, o presidente interino da Ucrânia, afirmou que o referendo realizado no último domingo não passava de uma grande farsa decidida no próprio Kremlin. Ele afirmou aos deputados que a Rússia está apenas tentando cobrir a agressão realizada na Criméia com este referendo, que não será reconhecido pela Ucrânia ou mesmo pelos outros países. A população da Crimeia é hoje constituída 58% por etnia russa. As minorias ucranianas e tártaras optaram por boicotar a votação.