Publicado em: quarta-feira, 18/04/2012

Paraná deve elaborar política estadual para remédios fitoterápicos

O Governo do Paraná propôs uma comissão para trabalhar na elaboração de uma política em nível estadual para o desenvolvimento de remédios tendo como base plantas medicinais. O objetivo da criação é estimular o cultivo, produção, processamento, comercialização e uso dos remédios no estado. A primeira reunião da comissão aconteceu ontem. Os membros são representantes das secretarias da Saúde e da Agricultura, conselhos de Farmácia e Medicina do estado, Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), Movimento Popular da Saúde, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Consórcio Paraná Saúde e Itaipu Binacional. Também serão incluídos membros representantes das universidades estaduais.

O Paraná é o principal produtor do país dessas plantas usadas como princípios em medicamentos naturais, no entanto os produtores ainda têm problemas para ganhar destaque e espaço no mercado. Essa comissão foi formada tendo como base uma proposta apresentada pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST). A idéia foi apresentada ao secretário da Saúde, Michele Caputo Neto. De acordo com Sezifredo Paz, superintendente de Vigilância em Saúde, o mercado fitoterápico ainda necessita de apoio por parte do governo para crescer e se institucionalizar. Esses medicamentos não podem ser vistos como uma segunda via para o tratamento, mas sim como o remédio que apresentará os melhores resultados aos pacientes.

Diretrizes serão apresentadas no segundo semestre

A comissão deve elaborar algumas diretrizes estaduais que serão apresentadas até o início do segundo semestre. O objetivo e levar em consideração cada etapa do processo produtivo e elaborar políticas que possam dar conta de todas as fases do ciclo. Segundo Paulo Costa Santana, chefe do departamento de Vigilância Sanitária do Paraná, a comissão vai envolver diversos órgãos do estado e outras entidades para que sejam elaboradas políticas viáveis de serem aplicadas futuramente. Ele afirmou ainda que outro objetivo será a criação de normas de vigilância para qualificar o setor.