Publicado em: segunda-feira, 12/03/2012

Paraná contabilizou 513 casos de dengue desde agosto de 2011

Desde agosto de 2011 o Paraná já contabilizou 513 casos de dengue. A Secretaria Estadual da Saúde divulgou, na última semana, um boletim com os dados atualizados da doença que mostraram que foram registrados 424 casos em que o indivíduo adquiriu a dengue no próprio território e 89 casos em que a pessoa chegou ao Paraná com sintomas. Os dados mais alarmantes não na região Oeste do estado, em Francisco Beltrão e Toledo. Somente nas últimas duas semanas foram registrados 134 casos do problema. Essas duas regiões precisam, todos os anos, de atenção especial.

De acordo com informações de Sezifredo Paz, superintendente de Vigilância em Saúde, o governo já enviou 15 técnicos para auxiliar no combate da doença. O objetivo é capacitar os agentes que fazem visitação nas casas. Em Francisco Beltrão, a Secretaria de Saúde pediu ainda que fosse aplicado o UBV, mais conhecido como fumacê. Os dados da Secretária Estadual de Saúde indicam que 55 dos 399 municípios do estado já registraram casos de dengue neste período.

Lixo é o principal problema dos municípios com casos de dengue

De acordo com a Secretaria da Saúde o maior problema causador da doença é a má gestão dos resíduos sólidos. Com lixo jogado pela cidade, há maiores chances da presença de criadouros do mosquito. Dados de 2011 mostram que dos 12 milhões de criadouros do mosquito encontrados pelos agentes de saúde, 53% deles foram categorizados como lixo. Tratavam-se, na maioria das vezes, de copos, latas, garrafas, etc.

O superintendente de Vigilância em Saúde acredita que uma solução para a diminuição dos casos de dengue no estado é a implantação de uma Política de Gerenciamento de Resíduos Sólidos, incluindo as ações de coleta seletiva. Para Paz, essas políticas são importantes e contribuem para diminuir os casos da doença no estado. Além disso, ele salientou que é necessário o envolvimento de todos, desde o gestor até a população que precisa auxiliar no processo de separação do lixo. Em Curitiba, onde o serviço de coleta seletiva existe desde 1989 e atende quase 100% das residências, o número de casos de dengue é muito baixo.