Publicado em: quarta-feira, 14/08/2013

Paraguai analisa possível retorno ao Mercosul

Paraguai analisa possível retorno ao MercosulAinda não se sabe qual será a posição do Paraguai no que diz respeito ao seu possível retorno ao Mercosul, já que Eladio Loizaga que é o próximo chanceler do país faz questão de manter o suspense sobre esse assunto e não deixa claro qual será o posicionamento do governo Horacio Cartes, que assume o poder já nesta quinta-feira, sobre o retorno do Paraguai ao Mercosul.

Segundo Eladio existem dois caminhos diferentes para a resolução de problemas que são as relações dentro do grupo do Mercosul e também existe o caminho bilateral, de acordo com Liozaga o que não se podeser resolvido através do Mercosul é resoolvido através do caminho bilateral, ontem Eladio recebeu a notícia de que seu nome foi confirmado por Horacio Cartes para integrar o Ministério das Relações Exteriores.

Liozaga disse que o relacionamento que existe entro o Brasil e o Paraguai é deextrema importância para os dois países, já que segundo ele, existem projetos que são comuns aos dois países, e que serão postos em andamento futuramente.

A presidente do Brasil Dilma Rousseff já confirmou sua ida na posse de Horacio Cartes nesta quinta-feira ela terá uma reunião com o mesmo, e vai insistir em sua idéia de demonstrar a real importância no regresso do Paraguai ao Mercosul, bem como nas relações bilaterais.

Segundo informações de fontes do governo brasileiro, será mais fácil investir pelos caminhos bilaterais do que causar uma pressão para que o Paraguai regresse ao bloco do Mercosul, sendo nítida a resistência de Horacio Cartes em regressar ao bloco que está sendo presidido pela Venezuela até o mês de dezembro.

Em reunião realizada no mês de julho em Montevidéu, Brasil, Argentina, Uruguai e Venezuela, ficou acertado que a suspensão a Assunção chegaria ao fim assim que Cartes tomasse posse.

No entanto estes, contudo, não concordaram com o pedido realizado pelo Paraguai para que Caracas não fosse levada a presidir o bloco.

O presidente eleito no Paraguai fez um discurso mais duro, deixando implícita a idéia de que não voltaria a integrar o Mercosul até o mês de dezembro, final da presidência da Venezuela.

Loizaga declarou que o final do período de suspensão termina no dia 15 deste mês e que a análise de retorno ao Mercosul será feita com toda calma e tranqüilidade, já que segundo ele o Paraguai já integra o Mercosul desde que este teve sua criação.

Para Eladio é de total extrema importância que a presidente do Brasil Dilma Rousseff e o presidente do Uruguai José Mujica estejam presentes na cerimônia de posse.

Ainda não há nenhuma confirmação oficial por parte do governo Argentino sobre a presença da presidente Cristina Kirchner no dia da posse.

Nicolás Maduro não foi convidado, segundo Loizaga foram chamados para estarem presentes somente os países que possuem representações diplomáticas no Paraguai atualmente.