Publicado em: sábado, 09/06/2012

Para direcionar publicidade, Intel aposta em ferramenta de reconhecimento facial

O uso de uma tecnologia que possibilita reconhecer a face do usuário é a grande aposta da Intel para trabalhar no mercado da publicidade dirigida. Além disso, a empresa conta ainda com uma equipe de negociadores com experiência para conseguir convencer parceiros mais relutantes a aderirem o novo serviço de televisão virtual.

Mas, até o momento, a implementação do serviço tem se colocado como um desafio, já que uma parcela grande de grupo de mídia continua sem disposição para permitir que a Intel que tenha a possibilidade de desmontar pacotes de programação e licenciar canais e programas específicos, por valores pagos pelos parceiros das companhias.

Atualmente, a Intel é a maior fabricante mundial de chips e mantém sigilo absoluto sobre as estratégias que serão usadas para lançar um serviço mais restrito de TV a cabo. Entretanto, ela precisará se dispor a correr riscos para iniciar atividades na nova linha de negócios.

Segundo informações de cinco pessoas próximas às discussões de negociação com a Intel, a empresa estaria focando em um decodificador, com a possibilidade de empregar a tecnologia para distinguir qual usuário estaria acompanhando que programa, de forma a possibilitar o projeto de publicidade direcionada.

Como funciona

A Intel propõe um decodificador que não identifica quem pessoa é exatamente, mas apenas registra dados como sexo e faixa etária, de forma a conseguir direcionar as propagandas.

O projeto da Intel coloca a empresa em meio a uma batalha da região do Vale do Silício pelo controle do conteúdo de televisão. Grandes empresas como Google, Amazon e Apple acreditam que o sistema de TV a cabo nos Estados Unidos esteja aberto para mudanças.

Por ano, a televisão a cabo movimenta cerca de US$ 100 bilhões nos Estados Unidos. Atualmente, o sistema está sob domínio de distribuidores grandes como DirecTV e Comcaste. Apesar de nenhuma das empresas ter conquistado grandes avanços no mercado, o que a Intel espera é conseguir projetar um decodificador e serviço de assinatura com qualidade maior ao público.