Publicado em: segunda-feira, 04/03/2013

País pagou “7 Maracanãs” para fundo de propaganda de partidos políticos nos últimos dez anos

País pagou “7 Maracanãs” para fundo de propaganda de partidos políticos nos últimos dez anosO custo que os partidos políticos causaram aos cofres públicos chegou a marca de R$ 6,8 bilhões entre os anos de 2003 até 2012, em valores corrigidos pela inflação. Nesta soma são levados em conta o que deixou de entrar no cofre do governo, como os subsídios de propagandas partidárias e também eleitoral, além dos desembolsos que o Orçamento Geral da União tem com o Fundo Partidário. O valor destas legendas nestes dez anos chega a equivaler até sete vezes o valor cobrado para a reforma no estádio do Maracanã para que fique adequado para as disputas da Copa das Confederações neste ano e da Copa do Mundo em 2014.

O programa com dez minutos que o PMDB exibiu durante a última quinta-feira (28) na rede nacional de televisão e de rádio, por exemplo, chegou a custar R$ 2,1 milhões em seu conjunto dos contribuintes do Brasil. Apenas os 43 segundos que o presidente do Senado Renan Calheiros (AL) utilizou que pudesse dar destaque a vontade que ele tem de acertar enquanto estiver ocupado a Presidência, cargo ao qual foi eleito para ocupar a partir deste ano, chegam a representar um custo de R$ 152 mil para os cofres públicos do país.

Esta propaganda partidária que é gratuita para os partidos políticos, tem seu pagamento feito pelo governo federal em isenção de impostos às emissoras de rádio e de televisão. Todas às 23 horas e 20 minutos que os 15 partidos brasileiros irão ocupar no horário nobre das redes neste ano, irão significar R$ 296 milhões em valor de impostos que as emissoras vão deixar de fazer pagamentos, conforme aponta relatório da Receita Federal. Em 2012, devido as eleições, o valor da isenção fiscal chegou a ser de R$ 606 milhões.