Publicado em: quarta-feira, 28/09/2011

Pais e alunos dizem que a culpa pela tragédia não foi da escola

Alunos da Escola Municipal Professora Alcina Dantas Feijão, em São Caetano do Sul, voltaram às aulas nessa quarta-feira, dia 28 de setembro, depois da tragédia em que um estudante de 10 anos disparou contra a professora e depois deu um tiro na própria cabeça. Os alunos se dizem surpresos com o que aconteceu na escola, que é considerada uma das melhores de São Paulo.

A primeira estudante que chegou à escola essa manhã, Dafyne Teixeira Sampaio Garcia, de 14 anos, disse que sabe que essas coisas acontecem, mas não esperava que fosse acontecer nessa escola. Os estudantes do ensino médio voltaram a escola com camisetas brancas, chamando atenção para a paz. A aluna Isabela Rosi, de 16 anos, disse que pediram para ninguém ir de preto em sinal de luto, porque o que eles querem é paz.

A professora da escola, Elizabeth de Souza, possui uma filha na instituição e afirma que teria condições de pagar uma escola particular, mas que a Alcina Dantas Feijão é uma ótima instituição e, nesse caso, não há culpados, todos são vítimas da tragédia. Outro pai de aluno que não culpa a escola é o comerciante Osmar Lázaro de Souza. Ele afirma que a tragédia poderia ter acontecido até mesmo na igreja.

Seis psicólogos da prefeitura irão acompanhar a volta às aulas. De acordo com o profissional Sérgio Mayer, as atividades serão definidas conforme a necessidade dos alunos, professores e funcionários. Segundo ele, se for preciso abraçar e chorar junto, os psicólogos farão isso.