Publicado em: quarta-feira, 26/10/2011

Otan pode continuar com missão na Líbia até o fim do ano

O presidente do Conselho Nacional de Transição (CNT), Mustafa Abdel Jalil, pediu nesta quarta-feira (26) que a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) continue com sua missão na Líbia até o final do ano. Existe a possibilidade que a Organização interrompa sua operação no país, pois Muamar Kadafi e seu filho, Mo’tassim, foram enterrados na terça-feira (25) e o CNT já declarou a Líbia como um país independente. Porém, além do pedido de Jalil, autoridades internacionais também pedem pela continuidade da Otan no país.

Enquanto estava em Doha, no Catar, Jalil afirmou “agora que conquistamos a vitória, o povo líbio aspira que a Otan mantenha suas operações até o fim do ano pelo menos [para] garantir a proteção das fronteiras, impedir a chegada de armas de países vizinhos e proteger os líbios dos seguidores de Muammar Kadafi que conseguiram fugir para os países vizinhos”.

Ao mesmo tempo, os parceiros ocidentais na luta contra o regime ditatorial de Kadafi temem que o novo governo não seja tão democrático quanto promete. A circulação das imagens de Kadafi sendo brutalmente agredido minutos antes de morrer fez surgir a dúvida quanto a possibilidade de o ex-ditador ter sido executado, medida que vai contra a promessa do CNT de seguir com os direitos humanos.

Kadafi foi encontrado na última quinta-feira (20) após um bombardeiro da Otan a um comboio que tentava fugir de Sirte. A Organização afirma que não sabia que Kadafi estava entre os fugitivos. Rebeldes avistaram o ex-ditador e o capturaram. O CNT nega que o ex-ditador tenha sido executado.