Publicado em: segunda-feira, 14/04/2014

Oposição diz que presença da Petrobrás no Senado é estratégia

Oposição diz que presença da Petrobrás no Senado é estratégiaNesta terça-feira, dia 15 de abril, a presidente da Petrobras, Graça Foster, irá até o Senado para explicar o processo de compra de Pasadena. Isso porque existe rumores de que tenha havido superfaturamento nas negociações de adquirir a refinaria norte-americana.

A confirmação da presença de Graça Foster está incomodando a oposição que ressalta que não passa de uma estratégia para deixar a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) ficar vazia. Mesmo assim, os deputados da oposição garantem que não vai ser uma audiência fácil para a presidente da Petrobras.

Semana passada, Graça Foster e o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, tinha recebido convite para darem esclarecimento sobre a compra da refinaria e o superfaturamento. Mas, a bancada do Partido dos Trabalhadores (PT) cancelou a audiência. O motivo seria que os dois já seriam convocados com a instalação da CPI.

A audiência foi remarcada por Lindbergh Farias (PT-RJ), presidente da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE). A atitude aconteceu porque a própria Graça Foster teria insistido para falar no Senado. Lindbergh acredita que após a fala do presidente da Petrobras, o caso ficará menos polêmico.

Álvaro Dias (PSDB-PR) está no grupo que defende a instalação de CPI exclusiva para investigar a empresa estatal. Ele faz críticas quando ao modelo de audiência pública que é utilizado pelo Senado.

O senador afirma que a pessoa que irá depor só responde o que quer e isso não seria suficiente. Mesmo assim, Álvaro diz que essa audiência não deve ter muita repercussão e Graça Foster não terá êxito em sua declaração.

As questões que serão colocadas à presidência da Petrobras não será somente sobre a compra da refinaria Pasadena, mas também sobre a construção das refinarias no estado de Pernambuco. Além disso, sobre as negociações da estatal na Argentina.

A desvalorização do patrimônio da Petrobras e a redução do faturamento também serão motivos de indagações.

Na reunião desta terça-feira, haverá votação sobre a abrangência da CPI. Os senadores estão divididos entre os que querem exclusividade para as investigações da Petrobras.

A bancada do governo quer que sejam incluídas na CPI as suspeitas de irregularidades no Metrô de São Paulo e no Porto de Suape, em Pernambuco. Isso porque o estado é governado pelo PSB e PSDB.