Publicado em: quinta-feira, 18/08/2011

Operação Táxi Livre faz sete apreensões em táxis do Rio de Janeiro

Uma operação realizada em Niterói, São Gonçalo e Itaboraí, que ficam na região metropolitana do Rio de Janeiro cumpriu 14 mandatos de busca e apreensão. A operação chamada de Táxi Livre terminou com sete táxis apreendidos e seus motoristas levados para a Delegacia de Repressão a Furtos de Automóveis (DRFA) para prestarem depoimentos à polícia. Os policiais também apreenderam R$ 2 mil em dinheiro durante a operação.

A ação policial foi feita com uma parceria entre a Secretaria de Segurança e a Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco), contando também com a participação de diversas delegacias policias da região. A operação contou ainda com o apoio de agentes do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaecco) que faz parte do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro.

As buscas começaram a ganhar força depois do assassinato do subsecretário de Transportes de Niterói, Adhemar José Mello Reis, que foi morto com quatro tiros em Icaraí na zona sul da cidade. Antes de ser baleado, o subsecretário estava apurando algumas irregularidades como as transferências fraudulentas de autonomias de táxis, que acabou reforçando os indícios da existência de um grupo criminoso que seria formado por funcionários do município e também particulares que estavam no esquema criminoso.

Os agentes policiais começaram ainda a investigar a existência de vários táxis piratas que estavam circulando pela cidade. Com isso foi identificado que o grupo criava coorporativas e utilizava espaços públicos como pontos de táxi, como também o pagamento para a circulação desses veículos piratas.