Publicado em: quinta-feira, 17/04/2014

ONU pede respeito às minorias na Ucrânia

ONU pede respeito às minorias na UcrâniaA Organização das Nações Unidas (ONU) fez um pedido para que as autoridades não transmitam todo o seu ódio para as minorias na Ucrânia. O órgão não reconhece o documento que oficializa a incorporação da região da Crimeia ao território russo e exige respeito à população.

As informações foram divulgadas a partir de um relatório elaborado pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, na última terça-feira, dia 15 de abril, na cidade de em Genebra. O texto dia que o governo precisa priorizar o respeito à todo e qualquer tipo de diversidade e as minorias precisam fazer parte da vida política do país.

Existe uma tensão na região lesto da Ucrânia pela presença de população russa. A ONU diz que é necessário restabelecer uma aliança entre povo e governo para que haja uma relação de confiança. A organização faz o pedido ao governo da Ucrânia para que não permita que informações manipuladoras da mídia sejam veiculadas e divulgue apenas o que for verdadeiro. Além disso, quer que todo extremismo e intolerância sejam combatidos.

Em relação à Crimeia, a ONU quer que os casos de desaparecidos sejam solucionados e que os direitos da população sejam protegidos diante das mudanças políticas. A ONU deixa claro que não aceita o referendo de incorporação da Criméia ao território russo, que ocorreu no dia 16 de março.

O relatório da ONU inclui que não houve disseminação pelo ataque à população de etnia russa. Além disso diz que as imagens de assédio do Maidan aos russos são exageradas. Existe comentários por parte dos russos de que o extremistas ucranianos estariam armados para perseguir os russos da Crimeia. A ONU considera que essas informações foram utilizadas para denotar clima de insegurança e medo a fim de que eles apoiassem a integração da Crimeia à Rússia.

A ONU ainda que sejam feitas investigações sobre os depoimentos de agressões provocadas pelo grupo Setor Direito aos adversários políticos que vieram a óbito.