Publicado em: quarta-feira, 20/06/2012

ONU faz críticas ao presidente equatoriano por censura à mídia

Poder se expressar livremente é um dos direitos mais reivindicados pelas sociedades, em especial pela imprensa, que não mede esforços para manter a população sempre informada sobre os mais diversos acontecimentos em todo o mundo. No entanto, não é em todos os países que esta liberdade está assegurada, e, em certos casos, a mídia sofre a censura por parte dos governos que não desejam que determinados assuntos sejam colocados em pauta.

Nesta quarta-feira (20), o relator das Organizações das Nações Unidas (ONU) para a liberdade de expressão, Frank La Rue, fez críticas ao presidente do Equador, Rafael Correa. O relator guatemalteco afirmou que o chefe de estado equatoriano teria mandado censurar alguns meio de comunicação de seu país.

Declaração do relator

Rue apresentou um relatório referente ao assunto no Conselho de Direitos Humanos da organização, realizado em Genebra. Quando apresentou o relatório, o relator afirmou que não acreditava que um presidente poderia ordenar a seus funcionários que falassem com alguns veículos e não dissessem uma palavra a outros. Rue afirmou que este atitude provoca uma censura.

O presidente do Equador não permitiu, há uns dias, que os ministros de seu governo dessem entrevistas para os veículos de comunicação privados. Correa acusou estes meios de comunicação de mercantilismo e também de dizerem mentiras sobre sua gestão. De acordo com Correa, os veículos como “El Comercio, “Expresso”, “El Universo”, “La Hora”, “Hoy”, e as redes de TV Teleamazonas e Ecuavisa são monopólios.