Publicado em: sexta-feira, 22/07/2011

ONU envia alimentos a regiões da Somália que enfrentam crise de fome

Com a declaração feita pela Organização das Nações Unidas (ONU) a respeito da situação de fome que atinge duas regiões ao sul da Somália, país africano, a entidade internacional anunciou nessa quinta-feira (21) que vai começar a enviar alimentos por via aérea. Ao mesmo tempo, os rebeldes que tem o controle de tais localidades, os insurgentes islâmicos shebab, afirmaram em uma transmissão de rádio local que a condição de fome apresentada pela ONU é falsa.

De acordo com Emilia Casella, representante do Programa Mundial de Alimentos (PMA) da ONU, “os shebabs não representam uma organização monolítica. Eles controlam diversas regiões do sul, mas não mandam no país. É importante destacar que estamos trabalhando onde podemos. Temos planos para trabalhar onde for possível.” O rebelde que fez declaração na rádio, Ali Mohamud Rage, reconhece que o país está passando por uma seca preocupante, mas que a realidade não condiz com a imagem passada pela ONU.

Além disso, a diretora do PMA, Josette Sheeran, explica que os cidadãos da Somália estão fracos e doentes demais para terem condições de irem até a comida e se alimentarem. Por isso, Sheeran ressalta a importância em assumir para si a responsabilidade de levar a nutrição adequada à população que se encontra numa situação de vida ou morte.

O estado de fome foi declarado nessa quarta-feira (20) pela ONU, sendo que a crise começou pela seca que se agrava no país. Por ter prejudicado a agricultura local, os habitantes das regiões do sul estão sendo vítimas da falta de produção dos alimentos.