Publicado em: sexta-feira, 21/06/2013

ONU diz que Israel usa crianças palestinas como escudo

ONU diz que Israel usa crianças palestinas como escudoA Organização das Nações Unidas (ONU) afirmou nesta quinta-feira, dia 20, que as forças militares de Israel estariam maltratando crianças da Palestina. O órgão de direitos humanos da ONU aponta que as crianças sob custódia seriam submetidas a torturas e algumas seriam usadas como escudos humanos.

O Comitê da ONU sobre Direitos da Criança destaca que crianças palestinas na Cisjordânia e na Faixa de Gaza, que foram capturadas durante guerra com Israel em 1967, são negadas de ter o registro dos seus nascimentos, além do acesso a escolas decentes, serviços na área de saúde e água potável.

O relatório da ONU diz que as crianças palestinas que são detidas por policiais e militares israelenses recebem tratamento que é degradante e muitas vezes são submetidas à tortura. O relatório diz ainda que muitas vezes as crianças são submetidas a interrogatórios feitos em hebraico, língua que elas não dominam e, inclusive assinam confissões em hebreu para poder ganhar liberdade.

Israel, através do Ministério das Relações Exteriores, argumentou que respondeu um relatório feito pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) no mês de março a respeito de maus-tratos contra crianças e adolescentes palestinos. Assim, Israel questiona se o relatório divulgado pela ONU traz alguma informação nova. O porta-voz do governo, Yigal Palmor, afirmou que não há importância em um material – se referindo ao divulgado pela ONU – que não se baseou em novos relatos, nem foi feito em campo, mas apenas reciclou informações antigas.

A norueguesa Kirsten Sandberg, especialista e presidente do Comitê da ONU sobre os Direitos da Criança, argumentou que o relatório não apresenta ao pensamento político dos integrantes da ONU, mas que foi feito baseado em fatos. Kirsten disse que o Israel não teria reconhecido sua jurisdição sobre as áreas ocupadas, mas o Comitê defende que sim, o que representa que o país deve respeitar a Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança.

Dezoito peritos que trabalham de forma independente fizeram o relatório e perceberam as preocupações sobre a segurança nacional israelense. O levantamento diz ainda que crianças dos dois lados em que ocorre o conflito são feridas e mortas, mas as maiores vítimas estão na região palestina. O comitê apontou que grande parte das crianças presas foi acusada de ter atirado pedras, ação que está sujeita a 20 anos de prisão.

O relatório apontou ainda que do período de janeiro de 2010 e março de 2013, 14 casos foram notificados ao comitê e se referem a crianças palestinas que foram usadas como informantes e escudos humanos.