Publicado em: segunda-feira, 09/04/2012

OMS estima que em 2050 o mundo tenha 2 bilhões de idosos

A Organização Mundial da Saúde estima que o número de pessoas idosas, acima de 60 anos, pode aumentar. Essa pesquisa foi feita para chamar a atenção na comemoração do Dia Mundial da Saúde. A pesquisa concluiu ainda que em mais quatro décadas, aproximadamente 80% dos idosos estarão em regiões em desenvolvimento.

Segundo a pesquisa, a população está envelhecendo rapidamente e em poucos anos haverá mais pessoas acima de 60 anos do que criança com menos de cinco anos. Embora seja um problema mais recorrente em países ricos, não se restringe a eles. De acordo com o diretor do Instituto para Envelhecimento e Planejamento de Futuro da OMS, John Beard, embora no senso comum esse seja um problema da Europa e do Japão, a realidade é bem diferente dessa situação.

Segundo Beard, são os países com renda baixa e média que estão envelhecendo mais. Estima-se, em função disso, que haverá 2 bilhões de pessoas acima de 60 anos no mundo em 2050. Beard afirma ainda que 80% desse total deverão residir em países que atualmente são considerados como emergentes ou em desenvolvimento. Essa é, segundo ele, uma ótima notícia para a OMS, pois significa que há um aumento da expectativa de vida e da melhora no bem-estar da população. No entanto ainda persiste a idéia de que a idade avançada é um efeito perverso do desenvolvimento socioeconômico.

Conforme explicou a chefe da OMS, Margaret Chan, essa maior expectativa de vida é uma realidade que vem sendo conquistada por diversos países.

A partir de agora, segundo Chan, é necessário melhorar a qualidade de vida desses idosos. É preciso, segundo ela, que as pessoas envelheçam com saúde e bem estar. Sobre as doenças que mais atingem os idosos, elas foram mudando com o passar dos anos. Hoje a principal causa de mortes nas pessoas mais velhas não são doenças infecciosas. A maior preocupação hoje dos médicos é que agora a causa das mortes são as doenças cardiovasculares e infecções respiratórias.