Publicado em: sexta-feira, 24/02/2012

Oito partidos fazem operação conjunta na Câmara contra PSD

Oito partidos políticos estão mobilizados e reúnem 265 deputados federais com o objetivo de impedir que o PSD, partido recém-criado, tenha acesso ao fundo partidário e ao horário eleitoral gratuito de rádio e TV tendo como base a sua bancada na Câmara. Atualmente são 47 deputados do PSD.

O principal argumento dos partidos é que o PSD ainda não passou pelas urnas, então não deve receber os benefícios que os outros partidos mais antigos possuem. Esse mesmo grupo já pressionou o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), para negar ao PSD a possibilidade de presidir comissões temáticas. Essa foi a primeira ação do conjunto das siglas.

A movimentação deve ganhar destaque na área jurídica. O grupo deve enviar, na próxima semana, manifestações ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Serão oito memoriais referentes a cada um dos partidos envolvidos. Espera-se que partido do atual prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, não tenha direito a muito tempo de propaganda na televisão durante as eleições de 2012. Fazem parte do movimento contra o PSD as seguintes siglas: PMDB, PSDB, PMDB, PSDB, DEM, PP, PR, PTB, PPS e PMN. Essa articulação entre eles já vinha ocorrendo desde o ano passado, em meados de dezembro, e se intensificou na semana anterior ao carnaval.

Durante uma reunião ocorrida no gabinete do presidente do DEM, os representantes e presidentes dos oito grupos decidiram criar uma estratégia conjunta para defender o espaço de campanha que possuem. Segundo o presidente do PMDB, senador Valdir Raupp (RO), cada um deve ter o que merece e a lei é muito clara. Segundo o presidente do PSDB, deputado Sérgio Guerra (PE), a mobilização tem por objetivo defender o espaço dos partidos envolvidos e não impedir o desenvolvimento do PSD. Guerra argumentou ainda que o possível apoio de Kassab à Serra nas eleições não mudará a posição tucana sobre o assunto.