Publicado em: quinta-feira, 27/02/2014

Óculos de realidade aumentada do Google rende agressão a mulher em bar dos EUA

Óculos de realidade aumentada rende agressão à mulher em um bar dos Estados UnidosO polêmico Google Glass foi motivo de agressões e furto em um bar dos Estados Unidos. Na cidade de São Francisco, na Califórnia, uma mulher chegou ao estabelecimento usando os “óculos do futuro” e, imediatamente, foi agredida verbalmente e fisicamente por algumas pessoas. Depois, enquanto mostrava o equipamento a um amigo, foi novamente agredida fisicamente e gravou um vídeo, publicado no YouTube.

Além da violência, um dos agressores chegou a tomar o Google Glass da mulher, que correu e conseguiu recuperá-lo. Enquanto ela buscava o aparelho, pertences como bolsa, carteira e celular foram roubados. Ela ainda não conseguiu recuperar os pertences, e afirmou à imprensa americana que sequer espera conseguir isso.

No perfil do Facebook, a mulher relatou o ocorrido, e republicou o vídeo, onde um casal aparece a atacando. Ele foi feito com o próprio Google Glass e dura 10 segundos (tempo padrão de captura dos óculos fora do modo de gravação de vídeo). A polêmica com o equipamento nos Estados Unidos dura desde o lançamento da inovação, justamente por possuir uma câmera na lente. Muitas pessoas acreditam que o Google Glass é um risco à privacidade, pela possibilidade maior de serem filmadas e fotografadas sem seu conhecimento ou aceitação.

Este, inclusive, é o argumento utilizado por alguns locais, como bares e restaurantes, que decidiram proibir a utilização do aparelho por seus usuários. Já os proprietários do Google Glass afirmam que não há qualquer diferença entre ele e um smartphone ou tablet, que também possuem câmeras.

Google Glass rende expulsão de sala de cinema

No final do mês de janeiro, um homem foi expulso de uma sala de cinema, também nos Estados Unidos, por estar utilizando os óculos de realidade aumentada da Google. O fato aconteceu na cidade de Columbus, em Ohio, e o homem utilizava uma versão do dispositivo acoplado aos óculos de grau utiliza para poder enxergar.

Agentes do FBI o retiraram do cinema, e o interrogaram por quase uma hora, suspeitando que o homem estivesse gravando o filme. Porém, ele afirmou que o equipamento estava desligado no momento. O fato foi desligado após uma averiguação do conteúdo registrado na memória do aparelho.