Publicado em: terça-feira, 12/07/2011

Obama não aprova solução temporária para crise da dívida

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou em reunião nesta segunda-feira (11) que não irá aprovar qualquer medida temporária que busque resolver a crise envolvendo o impasse sobre o teto da dívida pública do país. Este mês, a dívida chegou ao seu limite legal.

“Eu não aceito uma solução temporária de 30 dias, de 60 dias, de 90 dias ou de 180 dias”, disse o presidente a jornalistas, na Casa Branca. “Eu não vou assinar uma extensão, esta não é uma abordagem aceitável”. Nos últimos dias, Obama vem tentando convencer os congressistas a votarem no aumento do limite máximo do endividamento antes de 2 de agosto. Ele acredita que se essa medida não for tomada, o país poderá de deixar de cumprir seus compromissos com os credores.

A dívida chegou a marca de US$ 14,3 trilhões, cerca de R$ 22,4 trilhões. No domingo, a reunião bipartidária na Casa Branca, encerrou sem apresentar uma solução ao impasse. O congresso precisa aprovar o aumento do teto da dívida.

A Casa Branca pretende reduzir o déficit público com a proposta de reajuste fiscal de US$ 4 trilhões em um prazo de dez anos. O pacote proposto conta com o corte de gastos públicos, aumento de importação e reformas em alguns programas públicos, como o Medicaid, que é o auxílio-saúde para as família de baixa renda e o Medicare, o sistema público de auxílio à saúde para a população acima de 65 anos.

O Partido Republicano se opõe ao aumentos dos impostos que o governo deseja impor à parcela mais rica da população. Já o Partido Democrata, o do presidente, se recusa aos cortes em programas sociais.