Publicado em: quarta-feira, 23/11/2011

Número de mortos em protestos no Egito aumenta para 32

Nesta quarta-feira, dia 23 de novembro, Mohamed al Sherbini, porta-voz do Ministério da Saúde do Egito informou que o número de mortos, entre protestantes e policiais, nos manifestos que duram quatro dias subiu para 32. O porta-voz disse que as novas vítimas são da cidade do Cairo, onde ao menos 30 manifestantes já faleceram desde sábado nos conflitos na Praça Tharir.

Houve também um falecimento em Alexandria e outro em Ismailia. Os confrontos permaneceram na noite de terça-feira nas vias próximas ao Ministério do Interior. A polícia, na manhã de hoje, segue lançando gás lacrimogêneo contra os manifestantes, que revidam com pedras contra os policiais.

Apesar das concessões divulgadas pelo marechal Mohammed Hussein Tantaui na terça-feira, muitas pessoas ainda se concentram na Praça Tharir. O marechal concedeu a realização de um referendo sobre a permanência dos militares no poder egípcio. O Movimento Jovens do 6 de Abril afirmou em um comunicado que a ocupação da Praça Tharir e em outros municípios continuará até que todos os pedidos sejam atendidos.

Entre as solicitações dos grupos de manifestantes, eles querem uma data para que sejam realizadas eleições presidenciais antes de abril do próximo ano. Além disso, eles também exigem a mudança do poder militar para uma autoridade civil e também a formação de um “governo de salvação”, que fará a representação das forças políticas.