Publicado em: sexta-feira, 04/05/2012

Número de mortes de motociclistas cresce 7% em São Paulo

De acordo com uma pesquisa que foi feita pela Companhia de Engenharia de Tráfego de São Paulo (CET), o número de mortes de motociclistas foi o único que apresentou um aumento no ano de 2011.

O levantamento apontou que em todo o ano de 2011, 512 pessoas morreram em decorrência de acidentes envolvendo motocicletas no trânsito nas ruas de São Paulo. O ano anterior, 2010, foram registradas 478 mortes de pessoas que se envolveram neste tipo de acidente. O número de 2011, portanto, apresenta uma elevação de 7% nas mortes em comparação com 2010.

Segundo o estudo feito pela CET, a maioria das pessoas que morreram em acidentes de motocicleta são homens, sendo 92% das vítimas neste tipo de acidente. Além disso, 45% deles tinha entre 20 e 29 anos. Entre os que se envolveram em acidentes com motos, a maioria era ajudante, motofretista ou estudante.

Ao todo, 1365 pessoas morreram no trânsito de São Paulo durante todo o ano passado. A morte de motociclistas representa 37,5% do total de mortes.

Número de morte de pedestres

Mesmo com a intensa campanha realizada pela prefeitura da capital paulista para reduzir o número de acidentes de trânsito envolvendo pedestres, o número de mortes de pedestres caiu pouco, apenas 2%, quando comparado com o ano anterior.

Em 2011, o número de pedestres mortos no trânsito paulistano foi de 617. Em 2010, o número registrado foi de 630 mortes. A campanha de educação de pedestres foi iniciada em maio de 2011 nas ruas do centro da capital paulista e meses depois foi estendida para ruas da periferia.

Ainda de acordo com o levantamento da CET, a Marginal Tietê lidera o ranking no quesito via mais perigosa de São Paulo. Em 2011, foram registrados 14 atropelamentos de pedestres. Em segundo lugar, com 13 atropelamentos, está a avenida Jacu-Pêssego e em terceiro aparecem a avenida Sapopemba e a Marginal Pinheiros, ambas registrando com 9 atropelamentos.