Publicado em: sexta-feira, 14/06/2013

Novo teste será usado na triagem sorológica da doação de sangue

Novo teste será usado na triagem sorológica da doação de sangue Em comemoração ao Dia Mundial do Doador de Sangue, lembrado nesta sexta-feira, dia 14, o Ministério da Saúde anunciou na quinta-feira que vai incorporar o teste ácido nucleico (Nat) na triagem sorológica das pessoas que doam sangue pelo Sistema Único de Saúde (SUS). A decisão está divulgada no Diário Oficial da União e começa a vigorar em 180 dias. O teste anunciado pelo Ministério da Saúde é capaz de detectar agentes químicos que podem provocar o desenvolvimento de algumas doenças, principalmente dos vírus da hepatite C e HIV, com a vantagem de que o resultado é conseguido antes que os testes normalmente utilizados.

Todo o sangue recebido pelos doadores é submetido a exames capazes de detectar se o material está contaminado por doenças infecciosas que podem ser transmitidas através do sangue a quem recebê-lo. Este processo pretende assegurar a segurança e saúde do paciente que receberá o sangue. A intenção do Ministério da Saúde é submeter à análise 3,5 milhões de bolsas com sangue todos os anos e, desta forma, conseguindo cobrir toda a rede de sangue pública do país.

Carmino Antonio Souza é presidente da Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular e explica que o exame que será adotado pelo Brasil já é realizado na América do Norte,Europa Ocidental e Ásia e consegue encurtar o prazo para detectar o vírus HIV no sangue doado de 22 dias para apenas sete. No caso da hepatite C, o prazo diminui de 70 para 11 dias. Carmino diz que diminuir o tempo da janela imunológica dos casos de doação de sangue está entre os principais desafios da hemoterapia em todos os países. Chama-se janela imunológica o tempo em que um determinado vírus permanece no indivíduo sem poder ser detectado.

Por isso, a realização do Nat foi tão comemorada pela associação, que agora cobra do Ministério da Saúde que o exame seja realizado de forma obrigatória em todo o Brasil, inclusive na rede particular e pelos planos de saúde.

Antônio Gomes Pinto Ferreira, que é gerente do Programa de Reativos para Diagnósticos de BioManguinhos, considera que o Nat brasileiro, que tem produção desde o ano 2010, passa por aperfeiçoamento constante. Ele explica que o kit usado peo Programa já conseguiu identificar mais de dez janelas imunológicas, ou seja, bolsas com sangue que estavam contaminadas com o vírus da hepatite C ou da aids entre de 2,5 milhões de bolsas que foram triadas. Para Antônio, este número é bem significativo e mostra que o Nat brasileiro está atendendo às expectativas, de forma que possa ampliar e contribuir para a segurança na transfusão de sangue no país. O responsável pela gerência da BioManguinhos adiantou que o Nat do Brasil é capaz de detectar os vírus da hepatite C e do HIV. Agora, os alvos do novo teste será a detecção dos vírus da hepatite B e da dengue.