Publicado em: terça-feira, 15/04/2014

Novela Meu Pedacinho de Chão – Zelão pede para Rodapé ajuda-lo a escrever cartas de amor para a professorinha

Novela Meu Pedacinho de Chão - Zelão pede para Rodapé ajuda-lo a escrever cartas de amor para a professorinhaPara quem conhece Zelão, nunca imaginaria que ele estaria totalmente apaixonado como está agora.

Em meio a uma conversa com Rodapé, o capanga confessa quem é a dona do seu coração e diz: “Hoje a professora falou comigo e eu pude sentí, Roda, que ela num me ignora”, conta para o amigo com ares de apaixonado.

Rodapé, com seu jeito sincero e totalmente indelicado de dizer, tenta abrir os olhos do amigo e alerta: “Ocê tá ficando mais é besta, Zelão”. Mas mesmo com a opinião do amigo, o capanga não desiste de tentar conquistar o coração da professorinha e diz: “Ocê sabe lê e escrevê, num sabe Roda?”.

Ele então afirma: “Craro que eu sei, Zé. Lê e escrevê foi a única coisa boa que eu aprendi nessa vida. Mas porque quê ocê pergunto isso?”. Zelão então revela o que quer: “Porque eu quero lhe ditá umas cartas e ocê vai me escrevê”.

Rosinha fica enciumada ao ser deixada por Zelão e o ver com Juliana

Rosinha, apaixonada por Zelão, vai até a venda de Giácomo, radiante de felicidade por estar com o amado, mas essa alegria dura pouco. No caminho de volta, Juliana sai da escola bem na hora e é vista pelo capanga, que no mesmo minuto larga Rosinha e vai ao encontro da professorinha.

Ela agradece a gentileza e diz: “Esta manhã, eu recebi os meus primeiros alunos na minha escola, Zelão. E também fiquei sabendo o quanto você fez ontem, para que a nossa festa de inauguração fosse o sucesso que foi.

Eu lhe agradeço muito pela sua ajuda”. Zelão nã percebe Rosinha se aproximar, e educadamente, Juliana cumprimenta a moça, que respond com grosseria.

Quando chega em casa, a menina com muita raiva conta para a mãe: “A senhora precisava de vê como ele ficô todo derretido quando a tar professora veio falá com a gente. Eu tive vontade de furá os zóio dela!”.

E ainda garante: “A senhora ainda há de vê. E ele num perde poresperá”.