Publicado em: segunda-feira, 04/03/2013

Nove empresas aceleradoras são escolhidas para programa de escolha de start-ups

Nove empresas aceleradoras são escolhidas para programa de escolha de start-upsO Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) fez o anúncio durante a quinta-feira (28) do resultado para a seleção de aceleradoras que vão fazer parte do Start-Up Brasil, programa para o estímulo de start-ups, que são empresas que estão engatinhando no setor tecnológico.

As empresas que irão fazer parte deste projeto do governo são as aceleradoras 21212 do Rio de Janeior, Aceleratech de São Paulo, Microsoft presente em São Paulo no Rio de Janeiro, do Rio Grande do Norte e do Rio Grande do Sul, Papaya do Rio de Janeior, Pipa também do Rio de Janeiro, Wayra de São Paulo, Fumsoft de Minas Gerais, Outsource do Rio de Janeiro e StartYouUp do Espírito Santo.

Ao menos duas destas empresas que foram selecionadas, tem braços de inovação com grandes empresas, a Microsoft e a Wayra que faz parte do grupo Telefónica.

Estas empresas vão abrigar grupos com oito até dez start-ups, que vão receber cada uma, um valor de até R$ 200 mil do governo federal para que possam desenvolver o seu negócio durante 12 meses. Estes recursos vão ser concedidos através de fundo perdido, isto é, não vão necessitar que sejam devolvidos por companhias para o governo.

Fora isso, estas start-ups irão receber apoio de suas aceleradoras em áreas como infraestrutura, gestão e de aconselhamento, fora de capital. Em números totais, estas nove empresas selecionadas, vão aportar R$ 20,5 milhões durante os doze primeiros meses em que estarão operando. Este programa pode beneficiar até 100 start-ups.

O edital sobre a seleção de empresas vai ser publicado no fim de março e existe previsão que o resultado tenha sua divulgação no fim do mês de junho deste ano. O Start-up Brasil é parte do programa do governo federal para o estímulo no setor de tecnologia da informação (TI), e foi lançado no mês de agosto do ano passado.

Seleção

Conforme aponta o o secretário de Política de Informática Virgílio Almeida do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, houve a apresentação de 23 propostas para que as aceleradoras selecionassem.

A grande quantidade de projetos inscritos, conforme avaliação do MCTI fez que a quantidade de empresas que estão qualificadas ao projeto aumentasse de seis para nove.

A banca para a seleção contou com participação de cinco profissionais, entre eles estavam técnicos do governo federal, representantes da academia e indústria para fundos de investimentos. O responsável pelo projeto para incentivo de start-ups Rafael Moreira do MCTI disse que o que impressionou foi o grau de maturidade apresentado nas propostas.