Publicado em: sábado, 11/01/2014

Novas regras nos planos de saúde para tratamento de câncer

Novas regras nos planos de saúde para tratamento de câncerOs usuários de plano de saúde já tem o direito de receber cerca de 37 drogas orais para tratamento de 56 tipos de câncer e já podem também fazer exames genéticos para detecção de risco de doenças hereditárias ou de câncer.

Foi divulgado pela ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) o novo rol de procedimentos e exames obrigatórios aos planos de saúde que é sempre atualizado a cada dois anos.

Pelas novas regras também está a obrigatoriedade da cobertura da radioterapia IMRT (esse procedimento faz com que o feixe de luz seja modulado e atinja apenas as células doente, preservando assim as sadias) e também a ampliação da indicação do PET- Scan de 03 para 08 tipos de câncer, que é o exame de imagem mais moderno para monitoramento da doença.

A medicação oral contra o câncer era uma das mais procuradas pelos usuários de planos e também dos médicos. A funcionalidade é bem parecida com a quimioterapia, só que mais moderna e não causa tantos efeitos colaterais, podendo até ser administradas em casa, evitando assim gastos com internações em hospitais.

Até o ano passado, muitos pacientes tinham que recorrer à Justiça para obter o direito ao tratamento com essas drogas. Agora, além da ANS impor essas regras, uma lei foi aprovada em outubro para tornar a obrigatoriedade pela cobertura nos planos de saúde englobando todos os tipos de medicamentos.

Segundo Karla Coelho, gerente de Atenção à Saúde da ANS, essa obrigatoriedade de inclusão de novas coberturas pelos planos de saúde pode gerar um impacto direto nos preços das mensalidades dos planos. Depois de um ano será possível uma análise com mais facilidade para ver qual foi a sinistralidade dos planos nos últimos meses. Será acompanhado o impacto da medida nas mensalidades, sendo que na última revisão o impacto foi de 0,77%.