Publicado em: quarta-feira, 25/07/2012

Nokia será processada por campanha viral

O viral que se espalhou rapidamente na internet, o vídeo Perdi meu amor na balada, acabou rendendo a empresa responsável, a companhia de aparelhos celulares Nokia, questionamentos pelo Conar, o Conselho Nacional de Autoregulamentação Publicitário e o Procon de São Paulo.

As duas entidades estão investigando se a peça publicitária, que só foi revelada como sendo uma propaganda uma semana depois de sua veiculação, teria desrespeitado os direitos do consumidor.

O vídeo conta a história de um rapaz que teria se apaixonada a primeira vista numa balda pela garota Fernanda, mas teria perdido seu telefone e nem sabia o sobrenome. O vídeo era um apelo, que deveria ser divulgado na internet até que a tal Fernanda fosse encontrada.

O depoimento mexeu com o coração de muitos usuários, que transformaram o vídeo/apelo rapidamente em um hit na internet, pela velocidade dos compartilhamentos. Entretanto, uma semana depois, a empresa Nokia assumiu a autoria do vídeo, revelando que não passava de uma publicidade para divulgar o celular Purê View 808. O rapaz protagonista do depoimento, inclusive, é sócio da empresa de publicidade que responde pela peça.

Retorno

Na polêmica semana da revelação, a empresa declarou ainda a uma revista especializada economia e negócios que a campanha teria sido um grande sucesso, opinião bem diferente da do Conar, que, de acordo com a mesma revista, já teria acionado a companhia, aguardando a divulgação de um posicionamento da empresa. Em último caso, o vídeo pode ter a divulgação suspensa. O Conar avalia o caso com base no artigo nono, onde está prevista que a atividade publicitária será sempre ostensiva, ou seja, o consumidor precisa estar ciente que se trata de uma propaganda.

O Procon de São Paulo não chegou a receber nenhuma notificação dos consumidores, mas, de acordo com Paulo Arthur Gomes, diretor-executivo do órgão, a validade da investigação está no fato de a campanha ter se tornado pública e notória. O diretor ainda declarou que a mensagem publicitária precisa sempre ser explícita, por uma questão de ética.

Se o Procon analisar que a Nokia deve ser punida, a empresa pode ser multada, mas a Nokia afirmou não ter recebido nenhuma notificação oficial sobre o caso. A investigação do Procon iniciou para definir se a Nokia violou o Código de Defesa do Consumidor, sendo que a condenação aplicada pode chegar a R$ 6 milhões. De acordo com Márcio Martucci, diretor de fiscalização do órgão, assim que o departamento tomou conhecimento da campanha, foi possível identificar fortes indícios de violação do Código.