Publicado em: segunda-feira, 02/01/2012

Nicolas Sarkozy diz que crise é sua melhor amiga e irrita esquerda francesa

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, usou a queda da economia nacional para fazer uma campanha eleitoral pouco comum. Agora, o líder francês diz que a crise econômica internacional é tão ruim e tão forte que seus opositores não tem a experiência necessária para lidar com ela e espera que esta imagem seja mantida até o dia da eleição.

Os problemas franceses são muitos, como o recorde no nível do desemprego, a pouca perspectiva de crescimento e o risco de ter a nota de crédito do país rebaixada deixariam líderes tentando se preservar e limitando os danos. Porém, o presidente francês, escolheu uma estratégia diferente e, no dia 31 de dezembro, fez um discurso sobre os problemas que “a pior crise desde a 2ª Guerra Mundial” poderiam trazer.

A oposição de Sarkozy, cujo candidato à presidência é o socialista Fraçois Hollande e tem clara vantagem nas pesquisas de opinião para as eleições presidenciais de abril, disse que o discurso do atual presidente é uma maneira desleal de mascarar as próprias falhas. O porta-voz do candidato da oposição, Manuel Valls, disse que o Sarkozy admitiu fraqueza ao adotar este discurso.

Analistas afirmam que Sarkozy disse que a França estaria em situação pior sem sua liderança, já que a crise é de natureza global e os problemas franceses se tratam apenas de um sintoma de um problema maior. Pascal Perrineau, analista político, disse ao jornal Les Echos que se a crise estiver ruim, Sarkozy perderá a eleição, mas se ela estiver muito ruim, ele será reeleito.