Publicado em: segunda-feira, 03/02/2014

Náufrago passa 16 meses à deriva no Oceano Pacífico

Náufrago passa 16 meses à deriva José Iván contou que no dia 24 de dezembro de 2012 zarpou do México com destino a El Salvador, e que ele e um companheiro tinham como objetivo pescar tubarões. José Iván passou mais de 13 meses perdido em alto-mar, em uma pequena embarcação feita de fibra de vidro de quase sete metros de tamanho (24 pés) cujos motores perderam as suas hélices.

José foi resgatado em Ebon, um pequeno atol no sul das Ilhas Marshall, e contou que seu colega de viagem havia falecido no mar há vários meses. Ontem, foi levado para a capital do arquipélago, Majuro, de onde inicia a longa viagem de volta ao seu país de origem. Antes de ser repatriado, o naufrago terá que se submeter a diversos exames médicos e trâmites legais.
Magro e abatido, cabelo muito comprido e barba por fazer, José foi encontrado usando apenas um pedaço de pano como cueca. Debilitado, não conseguia andar sem ajuda. Explicou através de desenhos que sobreviveu comendo aves, tartarugas e peixes, que pescava com as mãos uma vez que não haviam equipamentos de pesca na embarcação. Mostrou ainda que, quando não chovia, ele bebia sangue de tartaruga.
Segundo uma intérprete, José Iván estava muito confuso e não soube dizer o que aconteceu nesses meses que passou à deriva no oceano, nem explicar o que desencadeou a situação ou o que aconteceu com o homem que o acompanhava e que morreu no mar. Desesperado, só falava em voltar ao México mas não sabia como.

Outros casos já aconteceram

Três mexicanos saíram de um porto na costa mexicana no Pacífico para pescar, em 9 de agosto de 2005. Após uma avaria no motor, ficaram sem gasolina e foram arrastados pelas correntes mar adentro. Só foram resgatados mais de 9 meses depois, por um aduaneiro taiwanês, também em frente às ilhas Marshall. Em 1992, dois pescadores de Kiribati passaram 117 dias à deriva no mar antes de chegar a Samoa.

(Com informações de R7)