Publicado em: quinta-feira, 26/07/2012

Nasa registra degelo recorde na Groelândia

A imagem foi tão surpreendente que os cientistas da agência espacial norte americana, NASA, chegaram até a duvidar que fosse verdade o desaparecimento de uma enorme camada de gelo da Groelândia num intervalo de apenas quatro dias, este tipo de fenômeno nunca havia acontecido antes.

O artigo de um cientista publicado na manhã do dia 25 aponta que entre os dias oito e doze de julho, o degelo registrado aumentou de 40% para 97% durante espete curto espaço de tempo. Um investigador da agência, Son Nghiem, afirmou que a situação era tão extraordinária que ele teria duvidado da leitura do satélite.

Os outros cientistas, assim como Nghiem, duvidaram das imagens porque, apesar de ser comum que a Groelândia perca uma boa parte do gelo no período do verão, esta velocidade de degelo, alcançando extensão tão grande, nunca havia ocorrido antes. Nas últimas décadas, o índice registrado foi uma média de 55%. Outro analista da Naca, Tom Wagner, afirmou que uma onda de calor teria varrido a região derretendo tudo pelo caminho. Mais centros de investigação forma consultados, entretanto, todos confirmaram a análise da NASA.

O pesquisador da Universidade da Geórgia, Thomas Mote, afirmou que o degelo coincide com ondas de ar quente, que teriam passado pela região, algumas mais fortes que a anterior. Nos últimos dias, este foi o segundo evento raro ocorrido na Groelândia. Semana passada um iceberg duas vezes o tamanho de Manhattan se desprendeu do glaciar Petermann.

Raridades

As temperaturas registradas no verão deste ano estão tão mais intensas e elevadas, que até mesmo na área conhecida como Estação de Encontro, a mais de dois mil quilômetros do nível do mar, foram registrados sinais de degelo. Esta situação não ocorria desde 1889.

De acordo com o glaciologista da Nasa, Jay Zwally, ocorreram períodos em que o degelo foi registrado nesta altitude, entretanto, por apenas alguns dias. A situação atual, com a extensão do último derretimento, nunca havia sido monitorada por algum dos satélites da agência.

Os cientistas ainda não sabem determinar se o degelo foi causado por um raro evento natural ou por conta das inúmeras alterações climáticas. Entretanto, eles afirmam com certeza que a cada ano, como resultado do aquecimento global, a camada de gelo tem ficado mais fina.