Publicado em: quarta-feira, 14/05/2014

MP dá parecer favorável à prisão de indiciados por morte de Bernardo

MP dá parecer favorável à prisão de indiciados por morte de BernardoO pedido da polícia pela prisão preventiva dos três indiciados pela morte do menino Bernardo recebeu parecer favorável do Ministério Público do Rio Grande do Sul. Atualmente, os três estavam detidos com prisão temporária. Leandro Boldrini, de 38 anos, o pai do menino, a esposa dela, Graciele Ugulini, de 32 anos e madrasta de Bernardo, e a amiga do casal, a assistente social Edelvania Wirganovicz, de 40 anos, são os três indiciados pela morte do menino, por homicídio qualificado, que corresponde ao pagamento de recompensa, um motivo fútil, a impossibilidade de defesa da vítima e a ocultação do cadáver.

A promotora de justiça, Dinamárica Maciel de Oliveira, enumera em seu parecer três fundamentos sobre a decisão favorável à prisão preventiva dos três indiciados. Inicialmente, ela fala sobre o mesmo ponto que está na representação da Polícia Civil, que é garantia da ordem pública, mencionando a comoção geral no país e como os indiciados receberam várias ameaças de violência caso fossem postos em liberdade. O MP ainda usou como fundamento o fato de que a prisão preventiva também será conveniente para a instrução criminal, já que algumas testemunhas relataram temer represálias do casal.

Além disso, o MP ainda frisa que a prisão preventiva é fundamental para conseguir assegurar que a lei penal seja aplicada. Ela lembrou no documento que o pai e a madrasta do menino possuem patrimônio e contatos suficientes para empreenderem fuga, especialmente em fronteiras vizinhas, o que iria comprometer a aplicação da lei. A delegada Caroline Machado afirmou que sobre a motivação do crime, o casal foi indiciado por motivo fútil, como ódio e desamor, e por motivo torpe, que se refere ao pagamento que foi feito e Edelvânia para ajudar no caso. Quando questionado se a motivação poderia ser financeira, pensando na herança de Bernardo, a delegada informou que não é possível afirmar isso.