Publicado em: sexta-feira, 03/08/2012

Motoboys têm até fevereiro para fazer curso de capacitação

Motoboys têm até fevereiro para fazer curso de capacitaçãoO CONTRAN (Conselho Nacional de Trânsito) decidiu e anunciou ontem (02), que os profissionais que trabalham como motoboys e mototaxistas deverão fazer o curso de capacitação obrigatório para exercer a profissão até fevereiro do ano que vem. A exigência, que deveria ser inicialmente cumprida neste sábado, foi adiada após vários protestos por parte da categoria, em que bloqueios ás principais ruas da cidade de São Paulo foram realizados.

Para os conselheiros do CONTRAN, como a maioria dos profissionais ainda não conseguiram se adaptar ás novas regras, o adiamento foi necessário e dará mais tempo para a adequação. Para facilitar, o órgão também aumentará o rol de empresas que irão oferecer os cursos. Hoje o serviço só é oferecido pelo Serviço Sócia do Transporte, Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte e pelos Departamentos Estaduais de Trânsito. A partir de agora, os cursos poderão ser oferecidos também pelos Centros de Formação de Condutores. Os cursos poderão ser feitos á distância, desde que a instituição apresente a documentação necessária que comprove a capacitação.

Para que o adiamento fosse concedido, o sindicato do motoboys de São Paulo pediu na Justiça Federal, em Brasília, ontem, para que o início da fiscalização só começasse em 2013, e assim desse mais tempo para que os motoboys fizessem o curso obrigatório para exercer a profissão. Segundo o órgão, apesar de a leiter sido aprovada em 2010, as instituições que dispõe os cursos só começaram suas atividades há seis meses e mesmo assim, há mais candidatos à fazer o curso do que vagas disponíveis.

Segundo o DETRAN, o curso já está sendo ministrado há mais de um ano em 23 pontos do estado de São Paulo. Foi informado também que o Denatran (Departamento Nacional de Trânsito) também fez a liberação de credenciamento dos órgãos executivos de trânsitos municipais para a execução do curso. O custo total das taxas chegarã oa R$ 680 reais, e é o profissional que terá que desembolsar o dinheiro.