Publicado em: quarta-feira, 04/07/2012

Morte de Yasser Arafat pode ter sido causada por envenenamento

As causas da morte do líder palestino Yasser Arafat voltaram a ser investigadas. Isso porque pode ser que o líder tenha sido envenenado por polônio 210, uma substância que é altamente radioativa. Uma análise, que foi encomendada pela TV Al Jazeera e feita pelo Instituto de Radiofísica do Hospital Universitário de Lausanne, da Suíça, mostrou que a substância estava presente nos objetos pessoais de Arafat.

O estudo, que durou nove meses, analisou as roupas usadas pelo líder, além de sua escova de dentes e o seu lenço palestino, chamado de kufiya. Nesses objetos, os especialistas encontraram níveis de polônio acima do normal. As informações foram divulgadas pela Al Jazeera nessa terça-feira (3).

A análise aponta que os restos de sangue, suor, saliva e urina que estavam presentes nos objetos do líder mostram que Arafat estava com um alto nível de polônio em seu corpo na época de sua morte, que aconteceu no ano de 2004 em um hospital de Paris, na França. As causas da morte do líder não foram esclarecidas até hoje.

A viúva de Arafat, Suha, foi quem enviou para a emissora de TV os objetos do marido para que as causas de sua morte fossem reveladas. As teorias sobre a morte do líder envolvem envenenamento, cirrose e até Aids.

Em 2010, um dos seguranças que trabalhou para Arafat de 1988 até o seu falecimento já havia dito em uma entrevista que o líder palestino tinha morrido em decorrência de um envenenamento, mas na época disse que a morte não tinha acontecido por meio de uma substância letal em suas refeições.

Dois anos depois da morte de Arafat, o antigo espião russo Aleksandr Litvinenko morreu por conta de altas doses de uma substância radioativa que foi encontrada em seu organismo. A substância teria sido dada agentes secretos da Rússia.