Publicado em: segunda-feira, 03/10/2011

Morte de Al-Awlakqi desestrutura braço da Al Qaeda

A morte de um dos líderes da Al Qaeda, Anwar Al-Awlaqi, anunciada nesta sexta-feira (30) pelo Ministério da Defesa do Iêmen, pode não representar grande interferência no modo de operação da organização terrorista, de acordo com especialistas que analisaram a situação. A morte de Al-Awlaqi foi apresentada em Washington como uma grande conquista do governo norte-americano, sendo que a operação foi organizada pela inteligência do país, a CIA.

De acordo com o especialista em grupos islamitas, Nabil al-Bakiri, “a Al-Qaeda existia antes de Awlaqi e continuará depois de sua morte. Awlaqi apenas trouxe ao grupo sua capacidade de falar inglês para se comunicar com o exterior.” Uma das vantagens para a Al Qaeda com Al-Awlaki era que sua naturalidade norte-americana garantiu a propaganda em inglês da organização para outras nações. Al-Awlaki foi considerado como um dos principais propagandistas da organização.

Depois de ter sido confirmada a morte do integrante da organização, a qual foi orquestrada com um ataque aéreo não-tripulado, a AQPA reivindicou uma série de ataques de setembro que mataram cerca de 140 pessoas. Os ataques aconteceram na região sul do Iêmen e mataram integrantes da força de segurança.

Mesmo com a continuidade da organização independente da presença de um dos líderes, acredita-se que o poder da AQPA seja abalado com a morte de Al-Awlaki. O ataque do governo norte-americano representa a necessidade dos líderes da organização de se reestruturarem para desenvolver novas estratégias e táticas de proteção. Enquanto isso não acontecer, a AQPA não terá condições de vingar a morte de Al-Awlaki.