Publicado em: terça-feira, 27/09/2011

Morre vencedora do Nobel da Paz de 2004, a queniana Wangari Maathai

A queniana vencedora do Prêmio Nobel da Paz em 2004, Wangari Maathai, morreu neste domingo (25), de acordo com um comunicado divulgado nesta segunda-feira (26) pela organização fundada por ela, a Greenbelt (cinturão verde). Maathai era ativista da ecologia e com 71 anos deixou três filhos e uma neta. Também na segunda-feira a organização GreenPeace África, parte da mundialmente conhecida entidade ecológica, expressou seus sentimentos pela perda.

A publicação do comunicado foi feita na página da internet do grupo, o qual informava que “com imensa tristeza, a família de Wangari Maathai anuncia seu falecimiento, ocorrido em 25 de setembro de 2011 depois de um longo e corajoso combate contra o câncer”. O Greenbelt foi fundado em 1977 e Maathai foi a primeira mulher africana a receber um Prêmio Nobel da Paz. Na África, o movimento é considerado o principal com o objetivo de plantio de árvores.

Desde a sua fundação, foram plantadas quase 40 milhões de árvores na região. Entre os outros objetivos do Greenbelt estão promover a biodiversidade e criar empregos para mulheres. Quando Maathai foi oficialmente nomeada como a escolhida pelo Comitê Nobel de Oslo, a organização divulgou que ela se destacou “à frente da luta para promover um desenvolvimento ecológico, que seja viável socialmente, economicamente e culturalmente, no Quênia e na África”.

Ao longo da sua luta pela preservação ecológica no Quênia e por toda a África, Maathai foi detida diversas vezes e enfrentou repressão e corrupção policial. A selva da bacia do Congo na África central foi um dos objetivos recentes de preservação da ativista.