Publicado em: sábado, 19/07/2014

Morre no Rio o escritor brasileiro João Ubaldo Ribeiro; ABL decreta luto de três dias

Morre no Rio o escritor brasileiro João Ubaldo Ribeiro; ABL decreta luto de três dias Morreu nessa madrugada de sexta-feira (18), no Rio, o escritor João Ubaldo Ribeiro. O acadêmico sofreu de uma embolia pulmonar e faleceu em casa, no Leblon. Seu corpo começou a ser velado no início da tarde na Academia Brasileira de Letras (ABL), no Centro do Rio. A princípio o corpo do escritor seria velado a partir das 10h, mas a cerimonia atrasou em razão da chegada dos filhos e parentes que vieram de outros estados, e então foi reagendada para o 12h.

O velório aconteceu no Salão dos Poetas Românticos e ficará aberto ao público, até as 19h. Por conta do acontecimento, a academia decretou luto por três dias. Muitas prestações de homenagem em forma de coroas de flores chagavam à ABL durante toda a manhã, entre eles estava a homenagem de um dos bares que mais foram frequentados por João Ubaldo. A comoção foi mútua assim que o corpo chegou ao local, em torno das 11h30.

Segundo os funcionários do Cemitério São João Batista em Botafogo, Zona Sul, o sepultamento do acadêmico incialmente estava previsto para acontecer as 16h. Mas por pedido de uma das filhas dele, que mora na Alemanha e demoraria um pouco mais para chegar, o enterro foi adiado para sábado (19).

Memórias

João Ubaldo Ribeiro era o 7º a ocupar a cadeira número 34 da Academia Brasileira de Letras. O escritor foi eleito em 7 de outubro de 1993, na sucessão de Carlos Castello Branco. De acordo com o secretário geral da ABL, Domício Proença Filho, ele era voltado para o povo brasileiro. Conta que ele não estava sempre presente, mas quando ia eram uma festa, com a voz de barítono, “uma alegria”.

Completa ainda dizendo: “Ubaldo era um escritor voltado para o povo brasileiro, a realidade brasileira, com a justiça social. Tinha personagens que retratavam bem essa realidade. Tenho certeza que Zecamunista deve estar muito triste hoje”. Assim como Domício, o presidente da ABL Geraldo Holanda Cavalcante, também faz elogios a personalidade de Ubaldo e lamenta a perda, mesmo encontrando ele apenas uma vez em seus quatro anos de presidência.