Publicado em: terça-feira, 09/08/2011

Morre mulher que teve 95% do corpo queimado por colega de trabalho

Mulher morreu nesta segunda-feira (08) depois de ter o corpo queimado por seu patrão no Rio de Janeiro. O caso aconteceu por um suposto amor não correspondido do patrão pela funcionária. Maria de Fátima Iloia, de 21 anos, teve cerca de 95% do seu corpo queimado supostamente pelo gerente da padaria onde trabalhava na Tijuca, ela chegou a ser socorrida por vizinhos depois da tentativa de homicídio.

O atentado a vida da vítima aconteceu na quinta-feira (04) e durante esse período ela permaneceu internada no Hospital Federal do Andaraí, mas não conseguiu resistir aos ferimentos.

O gerente da padaria, acusado pelo crime, Alberto Bandeira da Silva, foi detido e preso na manhã desta terça-feira na cidade de São João do Meriti, na Baixada Fluminense. De acordo com relatos dos familiares da vítima, Alberto perseguia a funcionária e a assediava com freqüência, ela estava trabalhando no local há oito meses e desde o início já era perseguida pelo gerente. Ao ser preso Alberto negou que tivesse torturado e matado a vítima, ele já responde por outro processo de agressão a uma ex-mulher.

Na última quinta-feira (04) ela estava sozinha na casa onde morava no Morro do Borel, uma das comunidades pacificadas do Rio do Janeiro, quando estendia roupas no varal a mulher foi surpreendida por Alberto. Segundo a polícia que investiga o caso, Maria de Fátima teve seus pés e mãos amarrados e o suspeito ateou fogo ao corpo da vítima dentro da casa onde ela morava com a irmã e o cunhado.