Publicado em: quarta-feira, 10/04/2013

Morre criador da fertilização in vitro

Morre criador da fertilização in vitroFaleceu nesta quarta-feira (10) aos 87 anos o vencedor do prêmio Nobel de Medicina de 2010, Robert Edward. Sua carreira ficou marcada pelos testes e por conseguir realizar a primeira fertilização in vitro no mundo.

Segundo informações da Universidade de Cambrigde, o qual lecionava, ele morreu tranquilamente dormindo. Edwards trouxe ao mundo o primeiro ‘bebê de proveta’, como ficou conhecida sua técnica de fertilização, em 25 de julho de 1978. O nascimento de Louise Brown virou notícia no mundo todo, pelo grande passo que a medicina dava naquele momento, em poder contribuir na realização do sonho de milhares de casais com dificuldades de engravidar.

O reconhecimento por este e outros trabalhos na área médica lhe renderam o prêmio Nobel em 2010. Contudo, Robert Edwards não recebeu o prêmio diretamente em Estocolmo, pois já estava com a saúde debilitada. Na menção do médico durante a entrega do prêmio, ele foi reconhecido como a primeira pessoa a conseguir demonstrar que a infertilidade poderia ter tratamento.

Biografia

Robert Edwards nasceu no dia 27 de setembro de 1925, em Batley, no norte da Inglaterra. Ele serviu no exército britânico de 1944 a 1948. Depois, decidiu estudar Biologia na Universidade de Bangor, em Gales, e depois transferiu-se para Edimburgo, na Escócia. Nestes anos ele conquistou o doutorado em 1955.

Seu primeiro emprego foi no Instituto Nacional de Pesquisa de Londres e emendou com o trabalho na Universidade de Cambridge, em 1963. Nestes estudos, começou a testar a possibilidade de gerar vida, ou fecundação fora do útero.

Passaram-se uma década de testes até que ele conseguisse em 1978 fazer a primeira fertilização in vitro. Até o momento do parto, o experimento aconteceu em grande sigilo, para afastar a expectativa e tumulto da imprensa.

Em 1980, Edwards e seu sócio Patrick Steptoe fundaram a primeira clínica de fertilidade do mundo e já conseguiram aperfeiçoar e realizar o mesmo procedimento com mais de 10 mil bebês.