Publicado em: segunda-feira, 30/09/2013

Morre ator Claudio Cavalcanti

Morre ator Claudio CavalcantiO ator estava com 73 de idade. Claudio Cavalcante veio a óbito por consequência de uma insuficiência renal que levou à falência dos órgãos. A morte do ator foi confirmada na noite do último domingo, dia 29 de setembro, na cidade do Rio de Janeiro. A informação foi veiculada pelo canal fechado GNT.

Claudio já estava há uma semana na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Pró-Cardíaco. No dia 24, ele tinha passado por um processo cirúrgico porque uma das vértebras já tinha apresentado falência. Os médicos que cuidavam do caso esperavam que o quadro de Claudio viesse a se estabilizar. O ator permanecia sedado.

Claudio estava trabalhando na televisão paga, no canal GNT. Depois de ter participado da mais nova temporada do programa “Sessão de Terapia”, o ator teria passado mal. A atração tem direção de Selton Mello e estará novamente no ar no próximo dia 7 do mês de outubro.

Além da carreira de ator, Claudio Cavalcante também se projetou como escritor e arriscou na política. Ele tem cinco livros publicados, foi vereador e também deputado estadual no Rio de Janeiro.

Atualmente ele ocupava o cargo de secretário de Defesa dos Animais na capital carioca. Informações do hospital em que Claudio estava internado constatou a morte às 17h45 de domingo (29). O corpo será cremado. O homem teve grande relevância no setor artístico do Brasil. Ele já fez direção de televisão, produziu peças teatrais, foi tradutor, dublador e até radialista.

Claudio se despede da vida com 50 trabalhos em novelas, minisséries e produções especiais. Também fez parte de 22 filmes. Um dos trabalhos mais conhecidos de ator foi o personagem Jerônimo, que foi um dos papeis principais da trama “Irmãos Coragens”, na primeira versão da Rede Globo.

O ator nasceu no dia 24 de fevereiro do ano de 1940. Ele era filho de um contador e professor junto com uma dona de casa. Claudio já mostrava seu talento para a dramaturgia desde os tempos de escola quando fazia teatro amador. Em 1956, ele recebeu o convite de um amigo para realizar um texto no Teatro Brasileiro de Comédia, o TBC.